sexta-feira

Vivianne Fair

A nossa entrevistada da semana é a escritora dos livros "A Caçadora" e "Quem precisa de Heróis?", e mesmo sendo vendidos apenas pela internet, conquistou uma legião de fãs.

E diante de tanto sucesso, Vivianne Fair teve uma tarde de autógrafo na Bienal do Livro de São Paulo, onde estava autografando o primeiro volume de "A caçadora", que já está a venda em todas as livrarias país.

Senhoras e senhores, com vocês,  um pouco mais de Vivianne Fair!


Mesmo sendo vendido apenas pela internet, o primeiro livro da triologia “A caçadora” já faz sucesso entre os que já leram e pelo Skoob, vemos que muitas pessoas pretendem ler. A que você deve essa popularidade?
Com certeza a todas as pessoas que me apoiaram e divulgaram, a todos os blogs que fizeram de tudo pra me ajudar...aos visitantes do meu blog com certeza...de qualquer forma, tive que divulgar muito, e me diverti, através de contos e tirinhas...Fico feliz de vampiros estarem em alta e ser uma das poucas que faz comédia com eles! Consegui agora publicar meu livro de maneira tradicional, eles estão nas livrarias graças ao incentivo de tantas pessoas!

O quê a levou decidir em começar a vender seu livro de forma independente?
É muito difícil e complicado você lançar um livro de forma tradicional, nas livrarias. Se eu sentasse e esperasse alguma editora se interessar poderia levar anos; eu queria que as pessoas lessem e se divertissem. Isso pra mim era o que mais contava. Consegui hoje graças a muita divulgação, mas nem eu esperava que fosse de maneira rápida. Devo muito aos meus leitores!

Qual foi a inspiração para escrever “A Caçadora”?
Vampiros estavam muito em alta. Eu já tinha escrito “Quem precisa de heróis?” fazendo brincadeiras com heróis, cavaleiros e dragões...pensei que nunca havia lido nada divertido sobre vampiros e pensei: “por quê não?”

O personagem principal foi o primeiro a ser criado ou ele ‘nasceu’ depois de outros que apareceram no livro?
A personagem principal eu já tinha criado, mas não tinha pensado num nome para ela ainda; que mudou várias vezes. Já Zack sempre o tive na cabeça..rsrs!

Os personagens principais de “A Caçadora” foram os primeiros a serem criados ou eles ‘nasceram’ depois de outros que apareceram no livro?
Ah, não, Jessi e Zack já haviam nascido na minha cabeça faz tempo. Todos os outros foram criados ao redor dos dois.

À primeira vista pensa-se que Jéssica e Zack são mais um casal que vão viver um romance clichê “vampiro e humana”. No entanto, não é o quê ocorre, pois a Jessi, além de se mostrar uma negação como caçadora de vampiros, mesmo gostando do Zack, não quer nem saber de virar uma vampira. Essa fuga do clichê foi proposital ou acabou ocorrendo naturalmente?
A maior parte foi proposital. Gosto muito de brincar com clichès, aquelas coisas que todo mundo sabe que vai acontecer, espera e ainda se diverte com elas. Apesar de ser uma negação do clichê não foge dele. Foi mesmo proposital, mas certas coisas saíram naturalmente, como ela ter medo de outras coisas, ou o vampiro ter medo de cantadas...

E a inspiração de  “Quem precisa de heróis”?
Rsrsrs, esse foi baseado em rodas de RPG, muito senhor dos Anéis e besteiras em rodas de amigos. Por exemplo, por que todo bárbaro precisa ser rude, grotesco e ter uma pose malvada? O meu é lindo, loiro e de olhos azuis!

Sephira, personagem central de “Quem precisa de heróis?”, é uma contradição ambulante, pois tanto pode ser cruel como um doce de pessoa. O que inspirou para criá-la? O nome dela teve inspiração em um famoso vilão de vídeo game?
Hahaha, sim! O nome dela veio de um personagem de um jogo chamado Final Fantasy, Sephiroth, como você advinhou. Primeiro porque sou fã dele, segundo porque seria algo parecido: ele era um heroi, antes de perder o juízo e querer destruir tudo. Já Sephira nunca teve juízo. Ela não se considera uma vilã, porque para ser alguém ruim você tem que ter a intenção de prejudicar. Ela mata e faz maldades porque acha natural.

Há algum personagem do livro que tenha sido inspirado em algum amigo ou até mesmo em você?
Bem, do Cavaleiros do RPG não, embora eu tenha tentado fazer ao menos um pouco das características de Sephira parecidas com as minhas. Por exemplo, o cabelo negro e prateado longo, o vestido azul que tenho no armário... já a Jessi me sinto muito parecida com ela. Sou sarcástica, cínica às vezes, e morro de vontade de arrumar um marido que nem o Zack. Alguns dos personagens do livro da Caçadora como Sofia, Dine, Bobby, Ana, foram inspirados em amigos, mas apenas os nomes. 

Quando e como começou a escrever?
Se bem me lembro, assim que completei 3 para 4 anos e meu pai me ensinou a ler e escrever. Não largava o lápis pra nada. Era desenhar e escrever o tempo todo...

O quê escrever representa na sua vida?
Contar parte da minha história, convidar pessoas a conhecer meu mundo, abrir minha alma...

O quê sua família pensa a respeito de sua carreira como escritora?
Algo como: “Que gracinha...Então, quando você vai prestar concurso mesmo?”

Você tem algum “ritual” quando vai escrever?
Não, eu começo do nada. rsrs... mas normalmente tento resolver tudo que preciso fazer antes de começar pra não pensar em mais nada. De preferência nada de ficar de mal humor!

Quais são seu autores favoritos? Há algum que seja mais especial que os outros?
Meg cabot!! Tenho outros autores favoritos: Maryan Keyes, Sophie Kinsella,  Becca Fritzpatrick, e recentemente tenho conhecido muitos autores nacionais legais como Paula Pimenta, Martha Argel, Nazareth Fonseca...

Todos sabem que para um escritor, os personagens são como uma espécie de filhos, logo, não dá para dizer que ama mais um do que outro. Mas existe algum mais especial do que os outros? Por quê?
Olha, realmente é muuito difícil escolher...mas se eu ousar por um só um pouquinho acima de todos os outros, é o Djin, o elfo do livro “Quem precisa de heróis?”. Eu não sei dizer, mas ele era tão esperto que escapou da morte que eu mesma preparei pra ele e tinha um coração aberto e alegre demais apesar de toda encrenca que se metia. Acabei suspirando por ele diversas vezes. Zack não fica atrás, lógico!

Teve algum personagem que deu um trabalho a mais para ser elaborado?
Hum, normalmente eles saem meio espontâneos. Nunca tive muita dificuldade com nenhum principal; só tive dificuldades em manter secundários no lugar onde eles devem ficar: em segundo plano!

Momento Ping-Pong

Uma cor: azul, rosa (desculpa, minhas cores favoritas)
Uma música: depende do humor
Uma frase: “Se conhece melhor uma estrada viajando por ela do que consultando todos os mapas do mundo.”
Um filme: “Paixão de Cristo”/ “Encantada”
Um livro: A mediadora
Um ídolo: Jesus
Um sonho: casar e viver de livros..rsrs
Um exemplo de vida: Maria
Um mania: roer as unhas e morder o mindinho quando desenho ou escrevo.

Agora o primeiro volume de “A Caçadora” está à venda em todas as livrarias do país, tem previsão de quando o segundo volume estará além dos limites da venda pela internet?
Hum, provavelmente no começo do ano que vem. Não dou certeza, mas é bem provável se tudo correr bem! rsrs

Como foi estar assinando exemplares de “A Caçadora” na Bienal do Livro em São Paulo recebendo o carinho dos fãs?
Estava no céu! Fiquei tão nervosa, preocupada, mas me senti muito querida...muito obrigada a todos por quererem fazer parte do mundo louco que eu crio! =)

Para encerrar, poderia dar alguma dica ou palavra de incentivo para quem está começando na carreira de escritor?
Se prepara, se é o que realmente quer! Dificuldades não faltam, mas é isso que torna tudo melhor depois que você consegue chegar ao fim. Críticas, guarde-as e reflita sobre elas. Elogios – bom, mas não os deixe tomarem conta de você. Muitos também querem ir onde você almeja chegar. Não vence o melhor, mas aquele que lutou pra conquistar o sonho. Não aceite qualquer proposta com medo de que não consiga nada melhor nem espere a oportunidade surgir. Beijos e boa sorte! =)


Livros da Autora

     




Quer saber mais sobre a autora? Acesse: http://www.recantodachefa.com.br/

10 comentários:

H.Max disse...

Muito sucesso pra Vivianne =D

Lobo da estepe disse...

Muito interessante! A parte que mais me chamou a tanção foi a fuga dos clichês, o que na minha opinião é algo tri importante.
Sucesso para ela! :D

Jonas Lupus disse...

Parabéns Viviane!
Sucesso em sua carreira!

Jaime Vieira Junior disse...

Ótima entrevista!!

Me deu vontade de ler!

John disse...

Que linda. Adorei a entrevista, muito bom :]. A parte da familia, lembrei da Rafa xD. Bonita as capas =D
sucessos Viviane e pra quem ta começando também ;]

Giuliana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Julie disse...

Mto boa a entrevista!! Parabéns!!

Sucesso para toda a equipe!!

Leonara Carulina disse...

Sabendo quem é a entrevistadora (que, aliás, ficou muito competente nesse posto) dá pra compreender melhor a função das perguntas, tão bem elaboradas. Parabéns pra ambas! A entrevista ficou divertida e bem informativa!

Beijos!

Daniel Guarienti disse...

ótima entrevista!
Viviane parece ser muito talentosa! Toda a sorte pra ela ^^

Juju disse...

Parabéns à Vivianne eà entrevistadora, esse é um caminho difícil na literatura e desejo que todas se saiam bem.


Sucesso!! :D